June 16, 2019

Aracnídeos perigosos e de importância médica no Brasil

Olá pessoal, hoje vim trazer algumas informações sobre alguns aracnídeos perigosos do Brasil, o nível de periculosidade geral das aranhas e vou tentar falar sobre os escorpiões e acariformes.

Classe: Arachnida

Das 11 classes de aracnídeos apenas 3 podem causar problemas graves para nós humanos. Amblipígios, Opiliões, Pseudoescorpiões, Palpígrados, Ricinúleos, Solífugos, Escorpiões-vinagre e Microescorpiões-vinagre são inofensivos no quesito causar problemas graves as pessoas, todas estas ordens ocorrem aqui no Brasil e demandam muito estudo ainda. Não é uma certeza (e nunca é) para a ciência que apenas aqueles que falarei aqui causam problemas, novas espécies são encontradas todos os dias e se um dia acharem um Pseudoescorpião capaz de causar problemas a nossa saúde com suas pinças peçonhentas podem deixar que atualizarei aqui assim que souber  ;)

Ordem: Araneae

No Brasil existem apenas quatro gêneros perigosos, três de importância médica e um de peri/culosidade similar à da aranha marrom, estes são respectivamente Loxosceles, Phoneutria, Latrodectus e Sicarius.
Qual a diferença de importância médica para periculosidade? Bom, as aranhas de importância médica tem um número de acidentes relevante e se tratam de animais sinantrópicos (vivem em ambiente urbano ou periférico a ele), é o caso dos 3 primeiros gêneros, porém a Sicarius ou aranha-da-areia causou apenas um acidente documentado no Brasil, no Nordeste e não levou ao óbito do indivíduo (quem quiser ler o paper > https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articlesPMC3749972), porém, teve efeitos necrosantes assim como sua prima Loxosceles (Ambas são da família Sicariidae) por conter a mesma proteína do veneno. Dito isso, vamos aos gêneros:

Loxosceles ou Aranha marrom

Elas são pra mim as mais perigosas, são pequenas, de coloração que facilita a camuflagem e quelíceras pequenas o bastante para serem praticamente indolores e imperceptíveis. As aranhas marrons são facilmente encontradas em áreas urbanas em qualquer fresta de madeira e é bem provável que encontre uma na sua garagem procurando direitinho. Apesar de não serem agressivas os acidentes com as 15 espécies de Loxosceles são recorrentes, na maioria das vezes acontecem quando se utiliza calçados ou vestimentas em que elas estejam forrageando sem bater, quando pressionadas acontece a mordida/picada (Tento falar sobre isso em outro post). Seu veneno tem efeito necrosante e pode seguir para insuficiências renais e outras complicações caso não ocorra o atendimento médico, que muitas vezes precisa da aplicação do Soro Antiloxoscélico Poliespecífico e uso de corticoides, dependendo da espécie e de outros fatores que o médico seguirá conforme o ocorrido.
Identificar a aranha marrom:

https://i.servimg.com/u/f36/20/07/76/25/loxosc10.png

6 olhos em 3 duplas! (O uso de uma lanterna forte reflete esta conformação, não precisa chegar tão perto quanto a primeira foto)
Marcação em forma de violino
Teias se parecem com fios de algodão, irregulares e geralmente em frestas ou buracos escuros.

Phoneutria ou Aranha armadeira (1ª aranha do Rank mundial de toxinas)

A toxina desta aqui é potente, tão potente que o Guiness Book não sabe se coloca ela ou uma migalomorfa Australiana, a Atrax robustus e todo mundo sabe que no quesito veneno a Austrália, que é uma ilha gigante que evoluiu milhares de anos isolada de conexões terrestres, é uma competidora e tanto, o efeito ilha gera máquinas de matar como a Jararaca-ilhoa (Bothrops insularis) aqui da Ilha da Queimada Grande, SP. Mas por que ela em plena América do Sul é tão potente assim? Essa é uma pergunta que renderia um ótimo trabalho sobre a evolução do gênero dentro de Ctenidae e a seleção dessa toxina tão eficaz. Neurotóxica, capaz com apenas 0,006 mg matar um rato e causar além da absurda dor, causar o priapismo em homens, isso mesmo, a diferença nos acidentes em homens é justamente causar ereções involuntárias que caso não sejam tratadas, podem levar à necrose do pênis em alguns casos.
Identificar a Aranha armadeira:

https://live.staticflickr.com/3472/3197170386_0602ef2317_z.jpg

Levantar as duas pernas dianteiras é sim um diagnóstico, mas levantar da forma agressiva e com pernas tão unidas e esticadas, quase se jogando pra trás é a característica da [i]Phoneutria[/i], ela sabe muito bem que seu veneno é potente e que coloca medo em qualquer um quando se arma assim e vai abusar mesmo da sua posição no Rank.
São sinantrópicas também, podem estar relacionadas as bananeiras e madeiras velhas empilhadas.
Ocorrência das não amazônicas segundo esse paper:

https://www.researchgate.net/profile/Rogerio_Bertani2/publication/277709639_The_Non-Amazonian_Species_Of_The_Brazilian_Wandering_Spiders_Of_The_Genus_Phoneutria_Perty_1833_Araneae_Ctenidae_With_The_Description_Of_A_New_Species/links/5570768d08aeffcab353c810/The-Non-Amazonian-Species-Of-The-Brazilian-Wandering-Spiders-Of-The-Genus-Phoneutria-Perty-1833-Araneae-Ctenidae-With-The-Description-Of-A-New-Species.pdf

https://i.servimg.com/u/f36/20/07/76/25/phoneu10.png

Latrodectus ou Viúva negra

Estas são menos comuns e seus acidentes não ocorrem ao mesmo passo que as anteriores, porém existem. No Brasil ocorrem 4 espécies do gênero e 3 delas devem ser levadas em consideração, Latrodectus curacaviensis, L. mactans e L. mirabilis, as mais comuns, por sorte nossa, não causam tantos danos e alguns trabalhos relatam que não ocorrem acidentes graves, estas são as L. geometricus, conhecidas como Viúvas marrons ou amarelas. As dispersões delas são uma incógnita para mim, com exceção da L. mirabilis que ocorre em uma área pequena do Rio Grande do Sul próximas as fronteiras do país e na antiga fitofisionomia dos "Pampas", uma vez li, não salvei e nunca mais encontrei alguns mapas biogeográficos de L. curacaviensis restringindo a espécie para ocorrência próxima ao litoral mas monitorando a fauna por um aplicativo que gosto muito vejo que não é o correto, já vi relatos no Mato Grosso do Sul, Brasília e outros lugares. O correto a se dizer é que o gênero precisa de uma revisão taxonômica pelo menos no Brasil e deve ser tratado como Latrodectus gr. curacaviensis e Latrodectus gr. mactans até que ocorra, estas duas são as espécies que causam os acidentes graves e provavelmente formam grupos e não somente duas espécies.
Como identificar as Viúvas?

https://i.servimg.com/u/f36/20/07/76/25/latrod10.jpg

As ampulhetas são o fator mais conhecido, mas não está perfeita em todas as espécies do gênero, como esta L. gr. curacaviensis mostra uma falha no desenho:

https://i.servimg.com/u/f36/20/07/76/25/latrod11.jpg

As pernas finas e pretas, ootecas características (forma de esfera com espinhos) são algumas das chaves a serem adicionadas as ampulhetas inteiras ou quebradas, mas como disse antes, os acidentes e a ocorrência delas está mais afastada das grandes áreas urbanas e próxima das áreas rurais, mas não é impossível, você que mora no interior como eu está sujeito a encontros como esse que tive aqui, mas infelizmente não encontrei mapas eficientes para explicitar isso aqui.

Sicarius ou Aranha-da-areia

A pouco conhecida aranha-da-areia, elas ocorrem muito bem na Caatinga e Cerrado, são capazes de se camuflar perfeitamente na areia e vivem bem longe da vida humana, motivo que não causam tantos acidentes quanto as anteriores e está longe da classificação importância médica. Muitas pessoas criam estas espécies, principalmente a S. terrosus, existem muitos vídeos na internet delas em cativeiro e são bem divertidas de se assistir forrageando, vale a busca. Como dito lá em cima, a toxina dela é similar a de sua prima Loxosceles
e merece respeito e atenção.
Como identificar a Aranha-da-areia?

https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/9e/Unidentified_Sicarius%2C_female_-_02.jpg

Esse aspecto de caranguejo pálido mantêm o padrão ocular da família, 3 duplas de olhos, mas não são tão fáceis de serem vistos, uma vez que ela fica com uma camada de areia tapando-os todo o tempo enquanto aguarda suas presas.

https://i.servimg.com/u/f36/20/07/76/25/mapa_s10.png

Esse paper (https://www.researchgate.net/publication/315596427_Phylogeny_of_Sicariidae_spiders_Araneae_Haplogynae_with_a_monograph_on_Neotropical_Sicarius) é a referência da foto acima, ele traçou a distribuição do gênero e um excelente trabalho, vale a pena dar uma lida pra quem se interessa pela área.

Restante:
Todo o restante das espécies das aranhas brasileiras possuem veneno/peçonha, com exceção da família Uloboridae que não possuem as glândulas produtoras da peçonha, porém não potente o suficiente para causar complicações médicas, além da vermelhidão local e dor mecânica. Falar isso aqui parece irônico, dentro de um fórum/site de criadores de aranhas, porém as aranhas são importantíssimas no equilíbrio do ecossistema e quando não são perigosas, não devem ser afastadas de nossas casas e acomodações, elas são um controle biológico eficientíssimo e se você não gosta de mosquitos e baratas (exóticos [as]) é melhor mantê-las.

Ordem: Scorpiones

Não são minha área de conhecimento, mas já li algumas coisas sobre eles e posso contribuir com um pouquinho, inclusive essa imagem da Ciência Brasilis pode já explicar quais gêneros merecem atenção:

https://i.servimg.com/u/f36/20/07/76/25/escorp10.png

Escorpiões são animais muito interessantes, os olhos deles são tão sensíveis que são o motivo de não saírem para caçar em noites de lua cheia devido a luminosidade e em compensação são capazes de encontrar tocas e presas somente com a luz das estrelas, mas o que toda essa sensibilidade faz no 9º andar de um prédio em pleno ambiente urbano? O problema é que uma espécie com uma toxina muito potente foi introduzida em muitos estados, o Tityus serrulatus ou escorpião-amarelo, ele se estabeleceu bem, com tantas baratas (Periplaneta americana) a solta nos esgotos e ralos, e principalmente pelo seu fator X, a partenogênese, isso significa que uma única fêmea,  sem reproduzir com nenhum macho, consegue dar origem a filhotes fêmeas dividindo seus óvulos em nível celular e reproduzindo clones sendo espalhados. Saíram da área de ocorrência que se restringia ao Sul de Minas Gerais, que aliás é o único lugar que comporta os machos da espécie, e se alastraram pelos ambientes urbanos e hoje são facilmente encontrados em terrenos baldios, construções e ambientes favoráveis com tudo que eles gostam, calor, baratas e entulho.
Os acidentes são graves, causam muita dor e os mais vulneráveis são idosos e crianças, existe o soro antiescorpiônico e assim como nas aranhas marrons, os médicos devem administrar quando o uso é necessário.

Subclasse: Acari

Acariformes compreendem os ácaros e carrapatos, estes carrapatos podem trazer doenças pelo parasitismo cutâneo (Escabiose causada pelo Sarcoptes scabiei) ou quadros de envolvimento sistêmico (Febre maculosa  causada pela Rickettsia rickettsii, Doença de Lyme causada pela Borrelia burgdorferi e a Ehrlichiose causada pela Ehrlichia spp.) São encontrados em vários lugares, minha dica é que não entre em campos onde se criam cavalos (Quem tem as marcas sabe do que estou falando), nem que abrace Capivaras.

As fotos utilizadas neste post vieram dos artigos citados pelos links, Google Imagens ou da minha própria autoria. Espero que tenha sido útil e interessante a postagem, sempre que for possível vou tentar atualizar aqui, informações e outros conceitos que posso ter errado aqui, caso deixei alguma duvida os comentários servem para isso, não exite em perguntar. Vlw

Posted on June 16, 2019 04:16 by michelotto michelotto | 2 observations | 2 comments | Leave a comment

Archives